Afinal o que pode e o que não pode?




O meu objetivo não é começar uma briga com o vizinho de blog, até mesmo por que tenho poucos e sempre se precisa de uma xícara de açúcar emprestada. 😉 Queria apenas demonstrar algo que me incomoda e estou aberto aos comentários que vierem. Sejam eles bons ou não. Não prometo responder todos.

Deixe-me contar a história: Dia 8 de agosto o Rafael do Blog.MacMagazine publicou um artigo sobre a experiência de instalar o Mac OS X em um PC. Seria nada de outro mundo fazer um artigo que conte a experiência, certo? Todos deveriam saber que isto é ilegal, mas sabemos que nem todos leêm os contratos e termos de uso, infelizmente. Mas relatar a experiencia não é errado. Experimentar porém pode ser, mas não vem ao caso.

Comecei a ler o artigo, até mesmo por que o assunto tem um fundo técnico importante, mas ao começar a ler já me deparei com o primeiro problema do artigo. A narrativa apresenta a instalação ilegal do OS X em PC como uma alternativa a compra de um MAC sem ser explicito que isto é uma alternativa ilegal até onde eu entendo. Veja:

Se você quer usar o Mac OS X, mas acabou de investir em um PC, ou não tem condições para comprar um Mac por causa do preço, há uma alternativa, mas você deve ponderar sobre alguns aspectos.

A coisa nem melhora, os parágrafo seguintes descrevem a receita da pirataria. Primeiro o artigo diz claramente que a versão é crackeada para burlar a proteção da Apple. Como não entendo muito bem deste assunto, posso falar besteira, mas pelo que sei o hardware de um MacIntel difere de um PC comum por não ter BIOS. No lugar da BIOS o MAC tem o EFI. E pelo que sei, esta é a proteção. Espero não ter falado besteira.

Depois fala de baixar de um site de torrents e seguir com o fácil modo de instalação. O artigo ainda relata algumas dificuldades que o Marcelo Ubiali teve.

Eu nunca fiz um artigo destes aqui por que acredito que isto seja errado. Sendo responsável por um blog onde apresento informação, opinião e posso ser confundido com alguém que tem conhecimento diferenciado do resto da população, acredito que tenho que ser um exemplo e buscar incentivar as pessoas a serem melhores trazendo benefícios à sociedade.

Fazer um artigo que mostra a facilidade com que se consegue um programa pirata para ser usado como uma “alternativa por causa do preço” realmente não é uma coisa boa. Bom, eu sei também que eu não posso mudar o mundo. Notando que falta a informação de que fazer o que diz o artigo é ilegal, comentei dizendo o óbvio. O Rafael que é o responsável pelo blog, naturalmente concordou comigo.

Assunto termina bem. Ok? Continuam algumas perguntas técnicas interessantes ao assunto, mas o problema que me revoltou passou a ser quando pessoas não-técnicas, ou não-tão-técnicas começaram a comentar no artigo. Onde eu baixo o OS X para PC crackeado? Como faço isso? Como faço aquilo!? Isso me incomodou e me arrependi de ter comentado algumas coisas técnicas.

Quando li o comentário do Marx RJ eu já não via mais o sentido do artigo. Eu errei ao responder ao comentário dele. O que eu deveria ter feito é mandado um email para o Rafael.

Continuei a fazer outras coisas para acalmar, mas antes de começar a escrever o email para o Rafael, veio o aviso de que alguém tinha comentado no artigo.

Calegari me responde um texto enorme. Não sei se este é o autor do artigo ou um visitante. Ele concorda que o ato de instalar o OS X em um PC é ilegal, mas ele não o acha imoral. Como não?

A justificativa dele inclui uma lista de softwares legais e ainda diz que ele o fez, por que a Apple permitiu. Diz ele que a Apple não fez o controle que precisava para evitar que ele cometesse um ato criminoso com o fim de fazer propaganda de graça de seu novo sistema operacional.

Será que eu estou errado em achar que ele está errado? Será que quando alguém rouba dinheiro de um caixa eletrônico por que o banco não usou um cofre com chave é errado, mas não é imoral? Se alguém copiar os meus artigos e publicar em outro blog é errado, mas não é imoral por que eu não protegi o meu conteúdo?

Será que para que eu não cometa um crime eu preciso ser impossibilitado de cometê-lo? Eu acho que não. Eu sei a diferença do certo e do errado.

Eu, se fosse o Rafael, apagava todos os comentários deste artigo e ainda editava o artigo original para deixar claro que reproduzir a experiência descrita no artigo é crime.

Será que é isso mesmo? Afinal de contas o que podemos publicar em um blog e o que não podemos? Não somos jornalistas, mas tempos um papel importante por sermos blogueiros. O que podemos e o que não podemos?




Artigo Anterior
Próximo Artigo

Leia Também


Deixe um comentário

7 Comentários

  1. Olá Bernabauer!

    Sem dúvida este é um tema complexo…e meu comentário é apenas um pensamento em voz alta 🙂

    Nem tudo que é *ilegal* é *injusto* ou *imoral* (E a recíproca é verdadeira!)

    Assim, considero que escrever o artigo citado é um exemplo de *liberdade de expressão* (assim como criticar a sua pertinência!, embora, considere que um aviso *indicando os aspectos ilícitos do ato* fosse adequado!

    O que cada um faz com a informação não é nossa responsabilidade, e isso não deve ser considerado nem como incentivo a atividades ílícitas, nem como fuga de responsabilidades…

    Mas como disse, estou apenas pensando alto!

    []’s

    Responder
  2. Berna, agradeço imensamente sua reflexão no assunto, e estou do seu lado. Estou de olho nos comentários e já apaguei inclusive um sem que ninguém visse (peguei 2 minutos depois de postado) pra evitar qualquer coisa desse tipo. Porém, continuo (desde o dia em que postei) achando o artigo [do Marcelo] válido pelo relato da experiência e clareza no fato de que realmente é uma versão crackeada — em nenhum momento damos o caminho das pedras com endereço exato de torrent pra ninguém baixar e instalar o Mac OS X pirata em seus PCs. Eu acho isso tão correto quanto você piratear um programa por alguns dias só pra testá-lo, analisá-lo e escrever um artigo/resenha para o mundo; você está fazendo uso dele para a transmissão de informação, e é isso que o Marcelo fez. Depois, apaga-se. É ou não é esse o “Disclaimer” nos arquivos readme de uma cacetada de sites piratas? Use por 24 horas, apenas para testes, depois apage o arquivo imediatamente de sua máquina”, sempre algo assim.

    Responder
  3. Eita caso complicado. Legalmente e moralmente está errado. Vale um disclaimer grande dizendo que aquilo ali não é correto.

    Mas como frear nossa curiosidade? Muito difícil…

    Responder
  4. Bom, adicionar um aviso na introdução do post não custa nada, me ajudam a escrever um?

    Responder
  5. Completamente ridícula a afirmação que o rapaz fez..

    É que nem o meu caso, gastei mor tempo e dedicação desenvolvendo um tutorial sobre recorte de cabelos no photoshop, sem contar que fiz uso das fotos da minha namorada no mesmo.

    Concordo que eu deveria ter tomado mais cuidado (assim como a Apple), mas mesmo assim, o cara clonou o meu tutorial, com a foto da minha namorada em um forum de torrents, e colocou abaixo do mesmo, créditos para ele.

    Uma leitora do Tec, me avisou sobre a clonagem, e então o cara adicionou uma linha embaixo dos créditos “dele” dizendo: Créditos: Tecnoblog. 😐

    Ele sequer fez um link para o meu site, e os créditos dele continuavam lá.

    Enfim, depois de tanto reclamar, o cara apagou o tutorial, e me enviu uma MP falando algo do tipo:

    “Colocou na rede tá exposto, relaxa meu!!
    Está satisfeito agora?!!? Aliás, duvido que o seu Photoshop seja original, e duvido que o seu Knockout seja original, aliás e seu windows então!!”

    Quer dizer, que direito ele teve de copiar só porque eu coloquei um tutorial na rede?

    Quer falar sobre moralidade? Comece obtendo um pouco de ética, e dignidade..

    estou certo?

    um abraço!!

    Responder
  6. Calegari

     /  14/09/2006

    Oi Bernabauer, tudo bem? Legal seu blog bem como a discussao criada em torno do assunto.
    Desculpa se te “cansei” com meu “texto enorme”, mas fiz isso porque eu falo muito (hehehehe).

    Se voce me permite gostaria de enfatizar que a discussao do blog foi boa (bem como no seu), e que a comparacao do ilegal/imoral carece de mais compreensao. VOce responde com a historia do caixa eletronico. BOm, nesse caso voce tem toda a razao. Mas no caso da apple (bem como todas as produtoras de softs, principalmente OSx) eles se servem da possibilidade de burlar as regras porque lhes é conveniente. Isso gera propaganda,etc… Veja o caso da Microsoft, que NUNCA (desde o DOS) se preocupou num mecanismo eficiente e funcional para barrar instalacoes ilegais. Se o tivesse feito, nao seria o OS mais popular do planeta.

    PS: Tá vendo, falo demais! desculpe. Valeu pelo comentario, pois nos faz crescer. Abaixo a ditadura da expressao! VIva o livre pensamento!

    Responder
  7. O objetivo é refletir sobre o assunto o interessante é que o tema cresceu e quase virou uma série.

    Continuo com o pensamento diferente do seu. Não concordo com o seu ponto de publicidade como desculpa para permitir pirataria. Se hoje existe pirataria é por que os preços são incompatíveis com a renda das pessoas interessadas em comprar o produto, por que falta educação por parte dos que acham que pirataria não é crime e por que ainda não existe uma maneira não-dolorosa de evitar a pirataria.

    vamos pensando, vamos falando. Um dia resolve.

    Responder

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: