Apple e o Flash




Steve Jobs levantou as mangas de sua camisa preta e resolveu escrever sobre os motivos do Flash não estar presente no iPhone OS, coisa que muita gente reclama. Em sua carta com título “Pensamentos sobre o Flash” Jobs comenta sobre os laços entre a Apple e Adobe que começaram lá atrás, mais de 20 anos no túnel do tempo, e endereça os motivos pelos quais o Adobe Flash não está presente em seus 3 produtos que não rodam iPhone OS.

Primeiro motivo para o Flash não estar no iPhone OS é por que ele é um sistema fechado e proprietário. Fácil de entender esta, pois a única maneira de criar um Flash é com código proprietário da Adobe. Não existe outro fabricante no mundo que gere arquivos flash como os softwares de Adobe. Apesar de concordar, sei de uma penca de softwares que são capazes de gerar arquivos flash, porém o importante não é a exclusividade, mas sim que o código do Flash é fechado. O negócio da Apple é adotar padrões abertos e por isto ela abraçou o HTML5, CSS e JS.

Segundo motivo é a web em sua totalidade. A Adobe afirma que 75% dos vídeos da internet estão em Flash, mas também boa parte deste vídeo está em H.264 que é um formato que os equipamentos com iPhone OS reconhecem e tocam. Flash é necessário? Pelo jeito não, pois existe alternativa.

Terceiro motivo é confiança, segurança e performance. Todos nós, geeks de plantão temos um pequeno indicador de consumo de CPU nos nossos amados computadores, sejam eles frutos do pomar de jobs ou fantásticas e ventadas (é de vento, ok?) maquinas com janelas do Tio Bill, que sobem sempre que algo em Flash é executado no navegador, ainda que seja apenas um banner idiota. Já cansei de ver meu Firefox sucumbir por conta do Flash.

Quarto motivo, tempo de bateria. O lance é fazer decodificação de vídeo em hardware. Isto torna tudo mais eficiente e claro, faz com que menos recursos sejam utilizados e consequentemente o tempo de bateria se estende. Segundo a carta de Jobs, para ver video em Flash, não existem chips com algoritmos otimizados para executá-los, logo tudo precisa ser feito em software.

Quinto: “Toque-screen” A maioria dos flash fazem alguma animação quando o ponteiro do mouse é colocado sobre algum elemento. Em equipamentos com telas sensíveis ao toque este tipo de flash simplesmente “não funciona”.

Por fim, o motivo principal para o Flash não estar no iPhone OS é por que a Apple sabe como é ruim ter uma camada intermediária entre a plataforma e o desenvolvedor. Isto pode ser uma fonte enorme de problemas e fica ruim para a plataforma e o desenvolvedor, mas não para o intermediário. Isto é uma direta ao produto da Adobe que gera aplicações para iPhone OS a partir de aplicações Flash.

Jobs termina sua carta ainda afirmando que o Flash faz parte do passado. Tapa na cara, como diriam boa parte dos artigos que eu li a respeito disto hoje. Eu digo, adeus Flash. Nunca gostei de você e espero que você encontre o seu lugar, seja lá onde isto for.

E claro que o cara da Adobe também respondeu a carta aberta de Jobs, mas cá entre nós, eu nem tô aí. 😉 Se você quiser descobrir, vai lá ver no Mac Magazine o que ele falou.




Leia Também


Deixe um comentário

2 Comentários

  1. Eu era uma dessas pessoas que têm iphone, reclamam da falta de flash, e acha a estratégia do tapa na cara da Adobe muito agressiva. Mas gostei de ler todos esses argumentos e até passei a gostar um pouquinho mais do Steve Jobs agora. Mission accomplished, Bernabauer.

    Responder
  2. Muito bom texto, mas o motivo real é que permitir o Flash seria como ter uma plataforma independente (roda jogos, toca vídeos, exibe PDFs, etc) dentro do iPhone. Ou seja, não poderiam ter controle total do aparelho, porque quem tem um iPhone não é dono, apenas usa o que a Apple deixa.
    Bye,
    Alex

    Responder

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: