Bill Gates diz que TV subiu no telhado




E não está longe de isso realmente acontecer, pelo menos nos países onde a TV Digital já funciona a algum tempo. Aqui no Brasil, isso não deve acontecer. A TV Digital e de alta definição promete ser uma nova revolução da TV e por isso as previsões do tio bill não devem dar em nada, por enquanto.

Bill Gates não acredita mais neste conteúdo síncrono. Os dois exemplos que ele dá são em relação às eleições e olimpíadas. Você fica esperando até escutar o resultado que você deseja. Com a internet você não precisa mais esperar. Basta acessar a internet e busca o resultado desejado. É o consumo de conteúdo assíncrono.

A Apple já percebeu isso. Começou seu plano maquiavélico com a loja iTunes, por onde ela vende o conteúdo. Junto à loja veio o iPod que inicialmente só era responsável pela reprodução de arquivos de som, mas que a pouco mais de um ano atrás, passou a ter capacidade de reproduzir vídeo também.

A loja iTunes passou então a vender não só filmes, mas conteúdo produzido inicialmente para TV. Sem falar do conteúdo produzido especialmente para ser consumido no computador, como os podcasts de vídeo e outros produtos videográficos. Como último passo recente a Apple anunciou o seu Apple TV (codinome iTV) que é um hardware que liga a sua internet (ou outro computador) a sua TV. Assim a Apple fecha o ciclo e passa a ser um meio mais eficiente do que a TV.

Querendo ou não o Apple TV passou a ser uma ameça às TV nos EUA. Uma coisa que ninguém percebeu é que o TIVO também anda ameaçado pelo Apple TV. Para que gravar um conteúdo que você precisa saber que horas passa e ter a sorte da programação da TV não estar atrasada? Consumir através da loja iTunes é muito mais prático. Aposto que ninguém tem saudade do video cassete.

Acredito que ninguém vê desta maneira, mas o Globo Media Center, agora rebatizado de Globo Vídeos (parece que o Google é uma boa influência na empresa do Dr. Roberto) é exatamente o que o iTunes se propõe a fazer, mas muito melhor, afinal você não paga por conteúdo individualmente, mas sim uma mensalidade para ter acesso completo a tudo que lá está.

Ok, eu sei que são duas maneiras diferentes do conteúdo aparecer no seu micro. No iTunes, você compra o conteúdo e armazena-o no seu micro. No Globo Vídeos, você precisa estar conectado à internet para assistir os vídeos e com uma conexão de banda larga.

Em ambos os casos, porém você não perde o seu tempo com os intervalos comerciais. Um episódio de uma série americana, que normalmente dura 30 min, pode ser assistido em 22 minutos e um de uma hora de duração tem entre 40 e 45 minutos. E melhor, você assiste o conteúdo na hora que você pode e não na hora que o conteúdo está passando.

A Microsoft também anda na mesma direção da Apple, porém a empresa da maçã tem um produto que chega este mês à casa do consumidor, já a solução da MS, só no final do ano.

Aqui no Brasil só conseguimos sonhar. SE a Apple inaugurar a loja iTunes para brasileiros, eu duvido que possamos comprar conteúdo da Globo por ali. Porém é possível ver algo da Band ou RedeTV disponível para compras. Sem estas emissoras o seu principal atrativo será o conteúdo internacional. Aí as TVs por assinatura tremerão nas bases, sua chance de sucesso é implementar logo o HDTV e fornecer serviços agregados (triple play), como voz e banda larga. Sem falar nas lojas que vendem as séries e filmes em DVD.

Eu desejo mesmo é poder assistir um filme ou uma série sem precisar estar em casa às x horas do dia tal ou ter que passar numa loja duas vezes. Uma para pegar um DVD e depois passar lá para devolver. Quero baixar o conteúdo plugar o computador na TV da sala e assistir. Eu pagaria por isso. E pagaria com orgulho se fosse uma solução nacional.

TV, realmente é uma coisa do passado. O lance é produzir conteúdo. É aí que está o dinheiro. 😉 Pelo menos na minha visão ingênua das coisas. :mrgreen:




Artigo Anterior

Leia Também


Deixe um comentário

3 Comentários

  1. É exatamente essa a minha visão do que a TV nos reserva no futuro. Nada de ficar preso às grades fixas das emissoras de TV convencionais! Isso soa tão século 20… hehe!

    Falou!

    Responder
  2. Eu acredito que as grades continuarão existindo. Porém não serão o único modo de consumir conteúdo de vídeo.

    A grade acaba sendo interessante para conhecer novidades ou mostrar os conteúdos mais populares.

    Responder
  1. TV na internet: Tá difícil. :: bernabauer.com - Noticias de Tecnologia todos os dias.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: