Blip.FM




Depois de ver um bando de gente no Twitter colocando twits do blip.fm, e eu ignorar solenemente a existência deste serviço, resolvi me inscrever e ver o que há de bom. Música é sempre legal para animar o dia, readquirir a calma, paz e serenidade que às vezes nos são tomadas por pessoas que acham seus problemas mais importantes do que a atenção que você dedica à elas.

Eu tenho uma certa dificuldade com música. Meu lema é escutar músicas de artistas mortos, bandas que fazem parte apenas do passado e por isto não tocam mais. Assim não corro o risco de me decepcionar com o novo álbum ou ficar esperando por alguma novidade nos longos hiatos que boas bandas parecem entrar quando o bolso enche com o sucesso que fazem. Parece meio xiita, mas tem funcionado bem, até agora.

Minha primeira impressão é que o blip.fm seria um prato cheio para os advogados da RIAA, já que o site parece nada diferente de baixar música através de P2P. A única diferença é que você escuta a música por streaming ao invés de efetuar o download para então escutar. Porém o blip.fm é muito mais do que uma maneira de fazer pirataria de música. É um jeito de conhecer coisas novas. Tudo bem que minha experiência com a ferramenta não gerou nenhuma banda nova ao utilizar pelos incontáveis 7 minutos que usei. Escutei White Rabbit do Jefferson Airplane, que eu já adoro, Everybody’s Talking do Nilsson (ótima música da trilha sonora de Forrest Gump) e por fim uma música da Björk. Nada novo, tudo velho (literalmente) e conhecido. Dei um stop e foi vasculhar o que a web fala do blip.fm. Aí lembrei que existe o last.fm. Fui lá conferir e sem criar uma conta, já vi coisa mais interessante. Pois na página principal notei que existe um top 10 e encontrei um bando de coisas novas e interessantes.

Entre elas achei a Jenny Lewis, que entrou para minha lista de gurias legais a serem escutadas numa lista que hoje só tem A Mallu Magalhães. 🙂

As duas ferramentas são ótimas idéias para se consumir novidades audio visuais. O Last.fm tem as músicas em vídeo. Já o blip.fm é bastante prático de se comentar sobre músicas com amigos. Para mim o blip.fm seria perfeito se tivesse alguma integração com o iTunes para comprar as músicas e colocar no iPod. Indo além, o ideal é que a barra que fica no pé da página tivesse o botão de favoritar (neologismo bacana né?). Não sei quantas vezes voltei a página para tentar ver o que tocava para incluir na playlist e não consegui achar onde estava blip. Sou cegueta e impaciente. A coisas devem ser práticas e não dar mais trabalho do que já dão. Aí eu achei a configuração que manda a página diretamente para o blip da música que esta tocando. Por que isto não é padrão?

Fiquei usando o blip.fm por mais tempo e achei algumas músicas bem legais. Não fiz nenhum blip, por que não tinha nada o que falar das músicas que gostei, mas dá pra curtir as músicas que eu inclui na minha playlist. Ah sim, faltou dizer o mais importante às música podem estar nos servidores do blip.fm ou não. Você pode referenciar músicas armazenadas em qualquer lugar na internet ou pode enviar a música para o blip.fm.

O que me leva a outra pergunta. Se eles armazenam (parte das músicas) e ainda fazem streaming delas, a conta de serviço de hospedagem deve ser quilométrica. Será que eles ganham muito dinheiro com os links para compra das MP3 que apontam para a Amazon? Será? SERÁ?

Do meu lado, o blip.fm vai acabar ficando largado, já que é impossível manter tantas bolas no ar para atualizar. A conta vai ficar lá sozinha, com meia duzia de músicas na playlist e só.




Artigo Anterior

Leia Também


Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: