Conheça o tablet da Apple: iPad




Este é Steve Jobs tirando onda sentado na sua poltrona usando o novo iPad. Sim, este é o novo hardware da Apple que fica entre o iPhone e o notebook. Por que a Apple não fez um netbook? Palavras do tio Steve: “Netbooks aren’t better at ANYTHING.” OU seja, netbooks não fazem nada direito. O iPad faz tudo que o iPhone faz e tudo que o notebook faz. Bem, quase. Nada de Adobe Flash.

Durante a demonstração do Apple iPad a aplicação que eu mais gostei foi da agenda. Simplesmente fenomenal. Boa aparência e parece ser feita especialmente para o iPad.

Outra tela do “Calendar”

Mais uma.

A pior aplicação que eu vi foi de email. Talvez a mais importante das aplicações é a que envia e recebe mensagens. A aplicação não parece ter sido completamente re-escrita e apenas adaptada para o novo formato de tela do iPad. Não tenho o que reclamar, afinal o Mail no OS X não é lá grandes coisas, mas no iPhone ele funciona direitinho.

Tem ainda uma aplicação para fotos e outro para escutar música. Este último é quase como o iTunes se parece no OS X. Depois do Calendar esta é a minha aplicação favorita. Contacts que é a lista de contatos é fenomenal também. Assim como o Calendar, foi re-escrita para ser uma aplicação nativa do iPad e se destacar.

Calendar:

iTunes:

O iPad ainda é capaz de acessar vídeos do YouTube e navegar no Google Maps com maestria. Inclusive mostrando Street View.

Assim que ele terminou de brincar com o iPad ele dissertou sobre o hardware. Veja mais detalhes aqui.

  • Tela de 9.7″ IPS
  • Peso 0,6 kg
  • espessura 1,27 cm
  • Processador Apple A4 de 1GHz
  • 16, 32 ou 64 GB de memória flash
  • 802.11n e bluetooth 2.1 + EDR
  • Tempo de bateria de 10 horas
  • Tela sensível ao toque capacitiva
  • Bussola digital
  • Acelerômetro
  • GPS
  • 3G UMTS/HSDPA triband e EDGE/GSM quadband

Fiquei surpreso com o processador que tem desenho próprio da Apple, mas pelo que vi ele é o principal trunfo do iPad. Além do processador, outro fator que chamou minha atenção foi o tempo de bateria. 10 horas de uso é fenomenal. O tempo de stand by é de 1 mês.

Para a apresentação dos softwares feitos por terceiros também foi feita sentada pelo Scott Forstall, Vice Presidente Senior (sic) de desenvolvimento do iPhone OS. A bola dentro é que o iPad poderá ter aplicações especificas desenvolvidas diretamente para ele, mas também vai aproveitar todas as 140 mil aplicações já criadas para o iPhone. Foi o que eu entendi e na demonstração mostraram que as aplicações funcionam muito bem.

Para desenvolver especificamente para o iPad será necessário usar um SDK especifico que está disponível hoje para download. Foram demonstrados ainda um jogo e a aplicação do New York Times, que deve estar feliz até dizer chega, por que o modelo de negócio se encaixa como uma luva para a nova realidade do jornal americano que decidiu que nos próximos 24 meses passará a cobrar pelo seu conteúdo.

Aliás, boa aplicação, pois ela é mais do que apenas um jornal digital, mas sim uma revista audio-visual completa. Tem vídeo para complementar matérias, galeria de fotos. Tudo que todo jornal sempre quis ser. Durante a apresentação do New York Times Martin Nisenholtz disse que estava alucinada ou psicopaticamente feliz de participar desta nova geração.

Se Amazon fez um bom trabalho com o Kindle, ele se tornou completamente ultrapassado. O iPad vem com uma aplicação chamada iBook. Os mais antigos no ramo, por favor, não confundam com o primeiro dos notebooks da Apple. Steve Jobs foi quem apresentou a aplicação e mostrou as diversas personalizações que são possíveis para ler o texto. Dá para trocar a fonte e o tamanho também.

Acha que vai cansar lendo nesta tela?

iWork no iPad? Sim! A Apple está desenvolvendo esta versão para o iPad por um mais de um ano. A interface é completamente diferente.

Keynote:

Pages:

Numbers:

Eu acho a inclusão do pacote Office da Apple no iPad extramamente necessário, mas sem ter a possibilidade de usá-lo com um projetor ou monitor externo é um problema grave. Imagino que alguém deve fazer algum tipo de acessório usando o conector padrão de 30 pinos que também existe nos iPods e iPhones, pois na apresentação foi dito que existirá um conector com um pequeno cabo. Cada uma das aplicações do iWork estarão disponíveis na App Store por 9,99 dólares cada.

A sincronização do iPad é identica ao do iPhone pelo cabo USB. Além de modelos com WIFI compatíveis com 802.11n e também com modem 3G interno. Em conjunto com operadoras americanas de celular será oferecido uma gama de planos de dados, 14,99 dólares por mes por 250MB. 29,99 para tráfego de dados ilimitado. O uso da rede WIFI da AT&T será grátis e não precisa de um contrato que te prende à operadora.

Entre Junho e Julho serão fechados os contratos para alguns países fora dos EUA. O iPad 3G será vendido desbloqueado, mas não usa um SIMCard normal. Usa micro SIM e algumas operadoras podem ter ou não.

O mais importante é o preço do hardware. Quando ele vai custar? Módicos 499 dólares. Este é o mais barato de 16GB com WIFI, se quiser com 3G também passa a custar 629 dólares. Para os modelos de 32 e 64GB basta somar 100 dólares para cada modelo. Por tanto o mais caro é 829 dólares com 3G e 64GB.

Em 90 dias ele estará nas lojas com 3G, mas em 60 dias o modelo com WIFI estará disponível.

Um acessório óbvio é o teclado em formato de dock, mas este não será o único acessório disponível, mas é o acessório mais esperado para o iPhone até agora. A pergunta é se ele vai funcionar apenas com o iPad. Pelo que foi apresentado, nada de multitasking no iPad assim como no iPhone. Notificações é capaz de existir, pois o sistema operacional é um sabor de iPhone OS.

A tela pelo que entendi é de vidro assim como no iPhone, então é preciso um certo cuidado para não deixar a criança cair no chão. Pensando nisto você pode comprar uma capinha bacana

Se você quiser ver mais detalhes pode ver na página da Apple para o iPad. Lá você vai encontrar a informação que você pode comprar um acessório para importar fotos da sua camera digital.




Próximo Artigo

Leia Também


Deixe um comentário

2 Comentários

  1. tigerii

     /  28/01/2010

    Parece bem interessante pra quem trabalha com muita mobilidade, não fica parado em lugar nenhum, a duração da bateria é muito boa também.

    Unica coisa chata pelo visto é ele nao ser multitasking… 🙁

    Responder
  2. doctor

     /  28/01/2010

    O uso do wifi da AT&T exige contrato sim. Nos Starbucks, por exemplo, para entrar na rede pede o número do celular, se não for contratado da operadora, basta pagar para usar.

    Responder

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: