Experiência única no kinoplex do Shopping Leblon




Cinema com emoção, psicologia e política, só no lá. Semana passada, mais precisamente no sábado, despenquei alguns quilômetros para encontrar meus bons amigos do tempo de faculdade. O shopping leblon foi pedida de um amigo baiano que conheceu o lugar e recomendou fortemente.

O shopping é realmente agradável, apesar do preço do estacionamento e é super bem freqüentado. Pelo menos é que o se conclui, pois o que se vê circulando no shopping são filhinhos de papi (é assim mesmo, não era para ser papai, não.) e suas respectivas patricinhas, senhores e senhoras de mais idade ou melhor cidadão seniors e naturalmente um pequeno grupo de geeks ou nerds que mantém blogs de tecnologia. Tirando este último grupo, o shopping parece realmente bonito. 😉

O programa era assistir “300” no fantástico cinema do shopping. Pequeno e aconchegante o kinoplex do Shopping Leblon proporcionou uma experiência que realmente será dificil de tirar da cabeça.

Para começar eu nunca fui num cinema onde o lugar é marcado. Isso mesmo, cinema com lugar marcado. Fiquei maravilhado com a oportunidade de escolher um lugar na hora da compra do ingresso.

A primeira maravilha foi encontrar terminais de auto-atendimento. São totens similares aos que estão disponíveis para se fazer check-in na TAM no aeroporto de Santos Dumont ou no de São Paulo. Nele você, em 6 rápidas etapas, compra o seu ingresso e escolhe o lugar onde você quer sentar. O pagamento? Nada mais prático do que redeshop e visa electron. Nada de Cartão de Crédito. Você deixa o totem para trás com um belo papel amarelo onde sai listado com o preço do ingresso e quanto é destinado ao direito autoral (no caso do meu ingresso que saiu por salgados 20 reais o valor aos direitos autorais foi de pomposos 50 centavos), sem contar o melhor: o lugar onde você vai sentar. No meu caso foi I5.

Com dois cinéfilos no grupo de amigos, ambos concordaram que o cinema praticamente não tem lugares ruins para se sentar. A fila I é no meio do cinema e dá uma ótima visão da tela. As salas pelo que pude notar tem som com certificação THX.

Para complementar a parte externa às salas, onde você pode comprar pipoca e outras guloseimas tem uma bela vista dos prédio ao redor do shopping. Parece tudo perfeito, não?

Pois bem, nem tudo são flores. Logo ao entrar no cinema nos posicionamos felizes em nossos lugares. Como éramos 5, ocupamos as colunas de 1 a 5 da fileira I. Fazendo graça dos lugares marcados, resolvemos trocar entre nós mesmo os acentos. O meu era para ser I5, mas acabei sentando na I4. Fizemos graça e como murphy é nosso amigo, naturalmente vieram duas senhoras reclamar conosco, pois estávamos nos lugares delas.

O mais interessante foi com a vontade com que elas vieram reclamar. Com todo o ódio do coração veio a frase dizendo que estávamos no lugar errado. Ainda bem que somos bem humorados e mostramos o ingresso com o nosso lugar correto. As duas senhoras entraram obviamente na sala errada. Com a viola no saco as duas ‘cocorócas’ se puseram a correr rumo ao filme da Maria Antonieta, enquanto nós nos divertíamos a espera do filme mais sanguinolento depois dos filmes de tarantino.

Com a tarde coroada de boas surpresas o filme começou com seus trailers e enfim a atração principal iniciou. Após alguns poucos minutos a tela ficou negra e sem som. Alguns poucos segundos depois (8 talvez) o filme retornou. A platéia chiou, mas logo se acalmou.

Um idiota porém não se conteve e saiu da sala para reclamar. Bons minutos se passaram até que a tela novamente ficou negra, mas o som continuava. Não era mais uma falha técnica, mas sim o caboclo que ao acordar deve ter resolvido comer merda. Com a cabeça infestada de estrume de vaca e insatisfeito de ter perdido 8 segundo de filme, resolveu tampar a tela de projeção com o casaco.

Após este evento o cinema virou algo mais do que uma simples sala de projeção. Ela poderia ser uma arquibancada de jogo de futebol do flamengo ou uma sala de terapia de grupo.

É de se esperar que o povo que freqüenta este cinema é no mínimo bem letrado e educado, porém não é o que parece. Instalado o caos, devido a ação do comedor de merda, a administração do cinema entrou na sala, parou a projeção. Os funcionários não receberam preparo para lidar com o público e um belo bate boca começou.

O mais impressionante foi a linha de argumentação de alguns pagantes de ingresso que eram totalmente questionáveis. Reclamando do Lula e do apagão aéreo ao invés de buscar uma solução para o problema. Enfim, com a percepção de que a sala estava cheia de imbecis, o melhor foi aproveitar as pérolas das pessoas.

Realmente foi divertido ver que as pessoas se revoltam por causa de uma falha técnica e não compreendem que voltar um rolo de filme de cinema não é tão simples e rápido quanto rebobinar uma fita VHS. Seria bem melhor ver estas mesmas pessoas se revoltando contra as decisões do governo federal, por exemplo.

Após alguns bons longos minutos o filme recomeça no final dos trailers. Com várias falhas no audio, a fita chega ao fim e o cinema resolve não mostrar os créditos.

Conclusão da história é: Foda-se o cliente. Vou cobrar caro para colocar letras e números ao estilo batalha naval nos acentos da sala e se der problema, vou deixar pessoas não capacitadas lidarem com o povo revoltado.

Talvez a polícia montada esteja presente na próxima vez que eu for ao kinoplex do leblon. À meu pedido, é claro. 😉

Mesmo com tanta emoção durante o filme, o cinema é bom, recomendo que você vá lá pelo menos uma vez para conhecer, mas reze para não ter comedor de merda na sala e que não tenha nenhuma falha técnica. :mrgreen:




Artigo Anterior

Leia Também


Deixe um comentário

6 Comentários

  1. Hahaha! Muito bom o artigo! Comedor de merda e ótimo!

    Mas sobre o cinema, não troco mais o Kinoplex Leblon por nenhum outro. Ainda mais pagando meia entrada! Muito bom mesmo. Também escrevi um artigo sobre o cinema (muito menos divertido que o seu, é claro)!

    Eu já assisti Borat, Á Procura da Felicidade e 300 no Kinoplex Leblon. Muito, muito bom! Que pena que a sua sala teve problemas técnicos, pois as cenas do filme (que na minha opinião são tão ou mais sangrentas que Tarantino – Kill Bill) somados ao sistema de som THX fazem do filme uma experiência única mesmo!

    Aliás, o que achou do filme? Eu achei demais!

    Responder
  2. Caramba, que loucura! Quando fui até lá não aconteceu nenhum destes problemas, e eu fiquei bem feliz com a qualidade de áudio e de projeção, e ainda mais com os lugares marcados. É que não suporto sentar muito longe da tela, e nem muito de lado.

    Ainda não vi o 300, mas vou tentar ir hoje, mas vou no cinema Leblon mesmo, já que no Kinoplex tem estes comedores de merda…

    Abração!

    Responder
  3. A primeira experiência com o Kinoplex realmente não foi boa. E o preço do estacionamento não me convida a voltar lá. O THX até é bacana, mas “300” tinha várias falhas de audio.

    Sobre o filme: É ótimo, mas “o mocinho morre no final”! 😉

    Responder
  4. Putz, que falta de sorte, hein?!

    Não tive problemas por lá e já estou com ingresso comprado pro Spidey3, neste sábado 05/05, 21h.

    Faltou dizer que as cadeiras são melhores que as do Cinemark e do UCI.

    Responder
  5. falta de sorte total. Algum dos meus amigos que é o pé frio. Aposto! Um dia eu volto lá para testar novamente, mas as cadeiras são show mesmo! Só não sei se são melhores do que do cinemark, por que elas são boas pacas.

    Responder
  6. Gostei do artigo! Parabens!
    Digitei no google shopping leblon, ai vi o titulo e fiquei curioso.
    Eu vou sempre lá nunca aconteceu nada parecido!
    Realmente foi uma experiencia unica!
    Acho q iria passar mal de rir!

    Responder

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: