Mini vs Audi (e ainda uma analise da Kia)




Hoje eu tenho um Hyundai i30. Gosto bastante dele e não reclamo, mas sei que ele tem falhas. Acredito que seu maior problema é o câmbio automático que tem antiquadas 4 marchas. O motor 2.0, potente, desaparece em determinados momento por conta do câmbio, sem falar que ele consome mais do que os outros carros que eu já tive, mas é mais econômico do que seus primos com motor equivalente. Posto isto, coloquei na minha cabeça que meu próximo carro terá motor 1.4 ou 1.6.

A restrição de motor é a maior de todas. Não gosto de carro flex e também não aprovo a conversão de carros para ter kit GNV. Motor precisa ser especialista e ser muito bom com apenas um combustível. Gasolina deveria ser pura sem mistura de etanol. O carro precisa ser 1.4 ou 1.6 e ponto. Contudo o carro precisa de mais do que apenas um motor econômico. Seria ótimo ele ter o sistema STOP-START que desliga o motor quando o carro está parado e o motorista pressiona o pedal de freio. Quando o pedal é liberado, o motor é ligado e você vai pra frente. Câmbio precisa ser automatizado ou automático e sendo um cara ligado em tecnologia, não posso ficar os mimos que sensores de chuva, crepuscular e estacionamento proporcionam. Este último pode até ser trocado por uma câmera de ré. Conexão para o iPod é óbvio que também precisa ter.

Com todas estas restrições na cabeça fui às “interneteres” para pesquisar qual poderia ser, eventualmente, meu próximo carro. Até o final do ano passado estavam no topo da lista os carros da Kia: Cerato, Soul e Picanto, mas após ver que o Audi A1 viria ao Brasil, fiquei maravilhado com ele. Simplesmente perfeito. Tudo que eu sempre quis. Seu único revés é o preço. No ano passado ele ficou apenas com o esquema de pré-venda e passado vários meses, o carro começa a ser entregue, mas seu preço de 90 mil reais me desanimou bastante. Ainda mais quando fui configurar do jeito que eu gostaria que ele fosse. A brincadeira ficou em 100 mil reais.

Não sendo um abastado blogueiro, claro que cortei-o da lista. Impossível gastar cem mil reais num carro. Voltaram para o topo da lista os carros da Kia. Lembra deles? Picanto, Cerato e Soul. Nesta ordem. Reparou que eu mudei a ordem em relação ao parágrafo anterior, né? Pois é. Picanto foi para o começo, pois a nova geração está muito mais bonita do que a atual que está à venda no Brasil.

Esta semana vi que a Mini vai trazer o Mini One para o Brasil. Ele é quase que uma versão pé de boi do Mini, se é que um pequeno premium pode ser pé de boi. O preço de lançamento da criança é de 70 mil reais. Fui ao site para colocá-lo do jeito que quero e novamente a brincadeira chegou perto dos cem mil. Mas será possível? Fiquei imaginando então que estas duas marcas estão inflacionando os preços destes carros para continuar na categoria “premium” ou “luxo”. Coisas de Brasil, afinal, estes dois carros são carros normais no resto do mundo. Não é pra “rico” como é a coisa aqui no Brasil.

Disparei então para a versão inglesa dos dois carros e descobri que as versões que por aqui se vendem custam por lá entre 13 e 17 mil libras. Convertendo para reais dá algo entre 30 e 45 mil reais. Colocando os impostos em cima, dá os 80-90 mil reais. Decepção vezes dois…

Derrotado pelo meu bolso, rearrumei novamente a lista da Kia: Soul, Cerato e Picanto. Sei que são carros de categorias diferentes e explico mais. Picanto foi para o fim da lista por que aqui ele deve vir apenas na versão 1.0 MFI, que é um motor que consome mais do que TFI que a Kia tem e oferece em outros países. A versão 1.2 não está confirmada e o topo de linha com câmbio automático deve ficar na casa dos 45 mil reais. Caro demais para o que ele é. Sem falar que seu câmbio continua sendo o ultrapassado 4 marchas.

Soul foi para o topo, pois sua nova geração deve chegar no segundo semestre já com LEDs e câmbio de 6 marchas, assim como o Cerato, que já está nas lojas com novo câmbio.

Voltando agora ao Mini e ao Audi, fiquei pensando, ora pois, por que tão caro? Se for para gastar cem mil num carro pequeno como este, por que não gastar 117 num Classe C? Aí eu lembrei que eu só ganho o suficiente para sonhar com estes carros. E pra fechar com chave de ouro, semana passada sai do trabalho e do meu lado passou uma Ferrari 458 Italia. É. Vou ficar feliz com um carro coreano na minha vaga. É o que mereço mesmo.




Artigo Anterior
Próximo Artigo

Leia Também


Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: