O faturamento é proporcional à notícia




A Rosana tem umas sacadas ótimas. A última que eu adorei foi a fórmula da notícia. Ela publicou duas formulas:

n = c f²

n = i c f²

Onde n = noticia, c = conteúdo, f = fama e i = interesse.

Ela dá dois bons exemplos. A primeira fórmula tem como exemplo a clastrofobia da Gisele Bündchen. Gisele é o fator fama, já a clastrofobia é o conteúdo. Sem o conteúdo, nada de noticia. Para a segunda noticia ela fala do BBB7, que tem um interesse do povo sem igual, mas não tem tanto conteúdo assim.

O enforcamento do Saddam cai na segunda fórmula, pois todos tinha interesse ou curiosidade e Saddam era famoso. Idem para o caso da Cicarelli e seu encontro com a serpente marinha.

Indo um pouco mais além, dá para fazer outra fórmula:

d = m n

Onde d = faturamento, m = fator de proporcionalidade variável e n = notícia.

O que percebi é que notícias de alto interesse tem faturamento alto. Este mês o faturamento teve dois picos com o caso cicarelli e o enforcamento de Saddam. Duas notícias que em tese não tem nada a ver com tecnologia, mas estavam ligadas sim. No caso da Cicarelli foi a questão do bloqueio do YouTube e as alternativas que existem para consumir vídeos ao estilo YouTube de ser. Já para o Saddam o interesse estava no fator virótico do envio do vídeo através de celulares e depois para a internet.

Passado o hype e o artigo da Rosana, aprendi que notícia que tem alto interesse, tem alto faturamento, já notícias de famosos, não.




Leia Também


Deixe um comentário

2 Comentários

  1. Henrique

     /  30/01/2007

    Ingual???? Conserta aí, cara!

    Responder
  2. Opa! valeu o toque! Tirei o ‘n’ metido! 😀

    Responder

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: