Virtualização




Virtualização parece ser uma tecnologia do futuro, mas na verdade não o é. A idéia da virtualização é antiga, mas as técnicas são novas. Tudo começou em 1998 com a VMware.

Hoje o mercado de virtualização se resume a VMware e a Microsoft. Antes que você fale do Xen, deixe me falar duas coisas. A primeira é que ela foi comprada pela Citrix. A segunda é que o Xen não faz parte do mundo da virtualização. Ele faz parte do mundo da paravirtualização.

Paravirtualização se difere da virtualização da seguinte maneira: Virtualização permite que você use um sistema operacional sem modificá-lo em cima do hypervisor. Já a paravirtualização requer que você utilize uma versão portada do sistema operacional sobre o hypervisor. Até onde eu entendo, pelo menos…

O hypervisor é o nome pomposo para o VMM, Virtual Machine Monitor. O VMM é o pedaço de software que é responsável pela intermediação das requisições de hardware das máquinas virtuais e o hardware propriamente dito.

Existem dois tipos de hypervisors. Existe o “tipo 1” que é o que roda direto sobre o hardware, a expressão usada é “on bare metal”, ou “direto no metal”. O VMWare ESX e o Xen são do tipo 2.

O “tipo 2” é quando você roda um programa dentro de um sistema operacional existente para poder rodar outro. O VMWare Player e MS Virtual PC são exemplos deste tipo.

Conheça os produtos da VMWare aqui. O Xen pode ser conhecido aqui. Já o Virtual PC você pode baixar daqui, por que passou a ser de graça. Tem ainda o Virtual Server.

Do que eu tenha escutado o VirtualPC não é um bom produto, nunca o usei. VMWare é o líder de mercado e está alguns passos a frente da concorrência. Recente surgiu o Parallels, mas este é um produto restrito ao mundo virtualizado do tipo 2 e a plataforma Mac. Para empresas a melhor opção continua sendo adotar produtos da VMWare, mas isso depende muito da aplicação e do hardware que está disponível.




Leia Também


Deixe um comentário

12 Comentários

  1. Eu lembro de ter usado o Virtual Box no Linux para rodar o Windows XP. Funcionou muito bem. O Windows tava com ótima performance. Rodou de primeira sem precisar de muita configuração.

    Quanto ao Virtual PC, eu achei ele muito ruim. Tanto o 2004 quanto o 2007. Funcionou razoavelmente o 2004 quanto eu virtualizei uma vez o Windows 2003 Server, apesar de ter que configurar (tentativa e erro) bastante antes.
    Tentei rodar uma versão modificada do OS X, no Virtual PC 2007 e simplesmente nem deu boot no DVD, além de travar totalmente o sistema (Windows XP). Ainda não testei ele no Vista não. E nem tô muito animado.

    Quanto ao VMWare ainda não o testei. Me falta um pouco de tempo. Ainda mais que é pura curiosidade usar essas virtualizações. =)

    Responder
  2. virtualização é o maior barato, mas sem o hardware necessário é apenas uma tortura. VMWare é o melhor deles. Até onde eu pude notar.

    Responder
  3. Dois pontos a serem comentados:

    – O Xen trabalha tanto com paravirtualização (Linux, BSD e OpenSolaris) como virtualização completa (qualquer SO desenvolvido para aquela plataforma, com apenas os binários disponíveis) desde que você tenha um processador com suporte a virtualização.

    – A VMWare não lançou o conceito de virtualização. Ele já existia desde a época do mainframe (que perdura até hoje… pode acreditar). 🙂

    Responder
  4. Certíssimo, a VMWare foi apenas a pioneira na virtualização para mundo x86. Quanto ao Xen, fiquei em dúvida sobre este papel duplo dele. Como pode ele ser capaz de paravirtualização e virtualização completa? Tendo o segundo, o primeiro se torna dispensável. Não é mesmo?

    Responder
  5. Não. A virtualização completa é muito mais custosa (em termos de processamento) do que a paravirtualização.

    Na virtualização completa o sistema guest continua enviando syscalls para o hardware, que são interceptadas pelo hypervisor e então traduzidas para o hardware.

    Já na paravirtualização não ocorre a tradução, pois o SO “sabe” que está rodando em um ambiente virtualizado, então o guest simplesmente envia uma syscall diretamente para o hypervisor (hypercall) que repassa para o hardware, por isso que a paravirtualização não requer hardware apropriado.

    Responder
  6. O legal é eu virtualizando WinXP no Ubuntu e o WinXP dando boot mais rapido virtualizado do que nativo 🙂

    Responder
  7. Ah tá… Agora eu entendi. Só não entendo por que MS, Parallels e VMWare não optaram pela paravirtualização. Possivelmente por parcerias com os fabricantes de hardware? Em tese a paravirtualização causa menos overhead de processamento do que a virtualização completa. Seu lado negativo é que precisa de um sistema operacional levemente modificado. Aliás, existe Windows para paravirtualização? Não né?

    Responder
  8. Para se ter paravirtualização você precisa portar o SO para a plataforma virtual. No caso do Xen, ele surgiu como como uma alternativa ao UML (User Mode Linux). Então portou-se o Linux para rodar em cima de Xen. Depois vieram os outros SOs de fonte aberta.

    Já o VMWare surgiu inicialmente como um emulador, para poder rodar o SO sem precisar portar. Quanto ao Windows, desconheço qualquer versão que possa rodar para-virtualizada. Talvez com a solução de virtualização da MS, mas não a conheço o suficiente para falar. Meu negócio é Xen, IBM Power Virtualization (pSeries) e um pouquinho de VMWare. 😉

    Responder
  9. Estou entrando agora na praia do WMVware através da solução ESX que permite criar um farm de servidores para máquinas virtuais. Cheguei a montar sozinho um lab, mas a falta de tempo não permitiu brincar mais tempo e fazer artigos a respeito. Espero que em breve eu tenha tempo para falar a respeito.

    Responder
  10. Ruy Minoru Ito Takata

     /  12/10/2008

    Só um detalhe importante. A virtualização em PC’s começou com o VMware. A virtualização já é usada em mainframes pela IBM muito antes do VMware. O problema é que só recentemente os PC’s têm poder computacional e memória suficientes para fazer virtualização.
    Em mainframes faz-se virtualização em que, na máquina host roda-se o Zos, e em cima dele pode-se colocar outros Zos ou Linux homologados (Suse e Red Hat). E inclusive, consegue-se criar máquinas virtuais dentro de máquinas virtuais com uma performance muito boa. A performance é muito boa não só pela capacidade computacional dos mainframes, mas também porque o sistema de virtualização deles é muito eficiente.

    Responder
  11. Jeronimo

     /  05/11/2008

    olá pessoal. estou interessado no assunto paravirtualização e virtualização. gostaria que alguém me passasse links sobre os dois assuntos e as comparações. obrigado.

    Responder
  12. helder

     /  18/05/2009

    Agora ficou claro…
    Mas ainda tenho duvida sobre a virtualizaçao total e a com suporte de hardware.

    Se alguem puder me ajudar…

    obrigado.

    Responder

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: